Na competitiva, você carrega ou é carregado? 

Um dos problemas mais comuns nas partidas competitivas não é enfrentar o adversário, mas existir discussões dentro da própria equipe. Infelizmente a toxicidade no universo online é mais comum do que o fair play. E quando eu falo no fair play, eu falo no companheirismo, no trabalho em equipe e na observação do jogo como um tabuleiro estratégico de batalha.

Suas ações tem impacto nos outros jogadores.

Ou você joga por si só e todos precisam se adaptar à você, ou todos conversam e jogam juntos.

O que é mais fácil?

Estamos jogando sozinho ou em equipe?

Em primeiro momento, é comum vir à nossa cabeça que é mais fácil todos conversarem e jogar junto. A razão é simples: o jogo é mais fácil e mais agradável quando o time conversa e “segue a call”. Mas o mais comum é cada um jogar por si, ou ter pessoas teimosas ou tóxicas o bastante para negligenciar os outros personagens, as picks, os jogadores, e o time inimigo. Este é o tipo mais comum, e a razão também é simples: nós não estamos acostumados a jogar games online cooperativos.

Basta entender a história dos jogos e como nos relacionamos com eles.

Antes eram jogos necessariamente offlines, no máximo jogávamos com um colega, literalmente ao nosso lado, para jogar aquele game de dois. Depois disso, os MMORPGs se tornaram uma febre, Tíbia, Ragnarok, Perfect World, WOW são ótimos exemplos disso. Mas o que todos eles tinham em comum?

Resposta: eles mantinham o mesmo sistema da campanha individual. Você não precisava dos outros jogadores que estavam ali, mas eles podiam te ajudar a realizar as quests mais rápido e ganhar mais XP. Claro, desconsidero os sistemas de guildas, que eram realmente sensacionais, mas não eram o foco do jogo (entende-se aqui como foco o modo ou comportamento de gameplay que nós ocupávamos maior tempo).

Neste mesmo período, o eSport começou a ter mais visibilidade com games como StarCraft e WarCraft, da nossa maravilhosa Blizzard, mas ainda assim prezava por um modelo ainda solo de pensamento estratégico.

Como a popularização dos MOBASs influenciou nosso comportamento?

Na chegada (ou popularização) dos MOBAs e jogos de tiro competitivos, já estávamos muito acostumados com um sistema solo de jogatina, então se tornou comum sermos aquele que carrega ou aquele que é carregado se o time não é bem pareado com os níveis de habilidade dos jogadores. Algo que é muito amenizado com sistemas de comunicação entre os parceiros em Counter-Strike: Global Offensive.

Vocês que jogam sabem… ou o pessoal xinga porque você não entende as mecânicas do jogo (e realmente você não deveria estar jogando competitiva) ou todos tentam se entender. Geralmente, basta seguir a call, se você não vence, ao menos tem uma boa experiência de jogo.

Vitória em Starcraft

Em mobas como League of Legends, Dota e Heroes of the Storm, uma herança dos irmãos mais velhos (games do gênero RTS) faz com que a comunicação se limite aos pings no mapa. O chat é aberto, mas a comunicação por voz bloqueada faz com que o chat seja agressivo. Afinal, ou você joga, ou você digita.

Não importa se você carrega ou é o carregado da partida.

Acontece que geralmente o matchmaking não é muito do nosso agrado e é sempre muito melhor quando temos uma equipe formada para jogar, conversar e definir melhores estratégias.

Caso você não tenha sua galera, faça seu registro em nosso site e te ajudamos a encontrar pessoas fantásticas para você subir de elo e se tornar um destaque em seu jogo favorito!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s